Font Size

Profile

Menu Style

Cpanel

19Setembro2017

 

Espaco Aberto

 

 

Vende-se imóveis de Alberto Youssef por R$ 83,6 mil

...

PPS discute nova formação partidária em congresso realizado em Salvador

...

Dodge mantém só dois nomes de Janot na Lava Jato

...

Saúde. Vereadores visitaram o Espaço Cultural Paulo Cesar Barros onde funcionam os projetos do Orguídea Negra

...

andre araujo

andre araujo

Segunda, 18 Setembro 2017 18:50

Ponto Novo.Preso acusado de assaltos na cidade

Nessa segunda-feira, dia 18, Policiais Civis da 19ª COORPIN em Senhor do Bonfim/BA, cumpriram mandado de prisão temporária, representada pela Autoridade de Ponto Novo/BA, em desfavor de ADENILSON FREITAS DOS SANTOS, 38 anos. A prisão foi decretada, face a robusta prova, que o Adenilson vinha cometendo roubos a mão armada na cidade Ponto Novo/BA, sendo que ele utilizava um veículo Gol Preto e depois um Pálio Preto, como também é investigados em vários inquéritos policiais. O Adenilson já foi preso em Filadélfia por assalto a mão armada. Após receber a voz de prisão, foi encaminhado a cadeia do Complexo Policial de Senhor do Bonfim/BA, onde ficará a disposição da justiça.

 

A Polícia Federal descobriu fraudes em 14 concursos públicos nacionais aplicados pela Fundação Carlos Chagas. Segundo a Operação Afronta II, que encontrou as irregularidades, 47 candidatos se beneficiaram de escutas eletrônicas no momento de realizar as provas. De acordo com a PF, alguns desse candidatos já foram habilitados e empossados nos cargos para os quais concorreram.Hoje (18), a PF cumpriu dois mandados de prisão temporária, quatro mandados de condução coercitiva e dez mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal em São Paulo, nas cidades de Campinas (SP) e Maceió. Os demais candidatos foram intimados para prestar esclarecimentos.Em outubro do ano passado, a PF deflagrou a primeira etapa da operação, em Sorocaba (SP), para apurar uma fraude no concurso público do Tribunal Regional Federal da 3ª Região para os cargos de técnico e analista judiciário.Na ocasião, foram indiciados nove membros da organização criminosa: o líder do grupo, o técnico responsável pelos equipamentos eletrônicos, quatro pessoas que desviavam as provas, e três que corrigiam as questões desviadas. Foram indiciados ainda doze candidatos que receberam as questões por meio de equipamentos de ponto eletrônico, e duas pessoas que também tiveram participação na fraude, embora não fossem membros da organização.A Polícia Federal solicitou à Fundação Carlos Chagas informações acerca de outros certames que os indivíduos responsáveis por desviar as provas haviam se inscrito. Pediu ainda que a fundação fornecesse os gabaritos de respostas de todos os candidatos destes concursos suspeitos.Os gabaritos foram então encaminhados à perícia, que constatou que a fraude havia sido consumada em 14 certames e que 47 candidatos haviam participado do crime. O sistema também encontrou indícios de cópia de respostas entre candidatos, comumente conhecida como “cola”, em outros 24 certames.Os candidatos serão indiciados pelo crime de fraudes em certames de interesse público, cuja pena varia de um a quatro anos de reclusão, e pelo crime deassociação criminosa, cuja pena varia de um a três anos de reclusão.A Fundação Carlos Chagas foi procurada pela reportagem, mas ainda não se manifestou.

Agência Brasil

O governador Rui Costa exonerou neste sábado (16) o delegado Carlos Roberto Botelho Vasconcelos, lotado na Polícia Civil da Bahia. Ele foi alvo, em 2011, da Operação Monte Santo, que investigou casos de corrupção nas delegacias de Monte Santo e Cansanção.

Vasconcelos foi detido junto ao também delegado Josevânio da Rocha Araújo, além de um soldado da Polícia Militar de Senhor do Bonfim, um escrivão, um advogado e um servidor municipal. O grupo era investigado pelo Ministério Público e Polícia Civil pela prática de crimes de concussão, extorsão, formação de quadrilha e corrupção passiva.BNoticias

Pagina 5 de 1559

Facebook