Font Size

Profile

Menu Style

Cpanel

19Agosto2017

 

Espaco Aberto

 

Ministra Cármen Lúcia e Rui Costa participam da abertura da Jornada Maria da Penha, em Salvador
...
Bonfinense é preso em São Paulo em nova fase da Operação Lava Jato
...
Prefeitura de Ponto Novo inicia reforma das Unidades de Saúde em todo o município

...

Caém.Carro de filho de vereadora de Caém capotou na BA 131

...

Jacobina: Protesto perde justiça pelo assassinato do professor Zé Antônio

...

Campo Formoso.Jovem morre em troca de tiro com a Polícia Militar
...
Previsão de salário mínimo para 2018 cai para R$ 969
...
Itiúba.Prefeitura gasta quase R$ 3,5 milhões por mês com folha de pagamento

...

Programa estadual vai levar atividades físicas e lazer para 78 municípios da região Saúde e outros estão fora

...

Caldeirão Grande. IFBA e Secretaria de Educação iniciam curso de libras
...
10 Ago
Escrito por 

Justiça nega permissão para Geddel sair de apartamento

Justiça nega permissão para Geddel sair de apartamento

Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil

 O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal em Brasília, negou um pedido da defesa do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) para tomar banho de sol e fazer exercícios físicos nas áreas comuns do prédio em que mora e cumpre prisão domiciliar, localizado no Chame-Chame, em Salvador. O magistrado autorizou familiares do peemedebista a usar celulares, computadores e outros aparelhos de acesso à internet no apartamento em que a medida está sendo cumprida.

A defesa de Geddel citou base legal para que presos tenham o direito a pelo menos duas horas diárias de banho de sol, além do exercício de atividades "desportivas/físicas". Já o juiz considerou ser plausível o pedido, mas ponderou que, antes da autorização, a defesa terá de comprovar que o apartamento do ex-ministro não tem varanda ou "varanda com sol suficiente para cumprir o direito pretendido", o que justificaria a permissão para descer para o espaço de convivência e playground.

Oliveira também alegou ser necessário demonstrar que a área do imóvel é inviável para a malhação. Geddel foi preso em julho pela Polícia Federal no âmbito da Operação Cui Bono, no âmbito da Operação Lava Jato. Cerca de uma semana depois, o desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), de Brasília, autorizou que o ex-ministro deixasse o presídio da Papuda, na capital federal, e cumprisse prisão domiciliar.

Deixe um comentário

Facebook