O Ministério Público Estadual denunciou, nesta terça-feira (21), quatro funcionários do Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (Detran-Ba) suspeitos de integrarem uma associação criminosa e lavagem de dinheiro. Segundo o MP, eles teriam montado um esquema relacionado à prestação de serviços de escapamentos de placas veiculares.

A denúncia indica que a associação criminosa, composta pelos denunciados Adriano Muniz Decia, Catiucia de Souza Dias, Rafael Ângelo Eloi Decia e Ivan Carlos Castro do Carmo, surgiu para praticar crimes de cartel, falsidade ideológica, fraude em licitações e lavagem de capitais. É a terceira da Operação Cartel Forte, deflagrada no dia 10 de fevereiro de 2021, com coordenação do Gaeco.

O Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas e Investigações Criminais (Gaeco), que coordena a operação, ainda afirmou que os créditos utilizados em operação financeira para remunerar as cotas dos empresários do cartel vinham de um elaborado mecanismo de lavagem de dinheiro. A estratégia utilizava um “stand” de eletrônicos situado na 25 de março, em São Paulo, onde foram movimentados mais de R$ 80 milhões em dois meses. M1

Sobre o Autor

Redação

Site de Notícias de Saúde,10 anos levando informações locais regionais .

Ver todos os Artigos