Vereador de Jacobina propõe audiência pública para discutir sobre barragens de mineradora


O vereador Paulo Adriano Morais Jatobá propôs, durante sessão ordinária na Câmara de Vereadores de Jacobina, a realização de uma audiência pública para tratar sobre as barragens de rejeitos da Jacobina Mineração e Comércio Ltda. (JMC) – Yamana Gold Inc.

Para Dibas Jatobá, como é conhecido o edil, há “a necessidade de se realizar audiência pública na Casa Legislativa, para discutir e ser apresentada a população, a situação da Barragem de Rejeito da Yamana e o monitoramento realizado para a manutenção da mesma”.
Desde as tragédias ocorridas após os rompimentos de barragens em Mariana e Brumadinho, ambos municípios de Minas Gerais, a população jacobinense tem expressado preocupação com as condições das barragens da cidade. O maior medo dos moradores de comunidades como Canavieira e Pontilhão – áreas relativamente próximas à mineradora – é com a primeira barragem, ou B1, que foi construída utilizando o método a montante, iguais as que romperam em Mariana e Brumadinho. Mesmo com o sucessivo empenho da mineradora local em mostrar para a população que as barragens são seguras, muitas ainda são as dúvidas na sociedade.
Ações
Após recomendações do Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), a mineradora vem realizando palestras, treinamentos com as populações de comunidades próximas e estará implantando sirenes que alertarão em caso de rompimento. Ainda assim, muitos dizem ter dúvidas sobre os riscos reais de rompimento e até onde chegariam os rejeitos de minério da barragem.
Uma destas reuniões, realizada na noite de ontem, no bairro Novo Amanhecer, foi marcada por muita tensão e discussões entre moradores e representantes da Yamana Gold. Algumas pessoas pediram até o fechamento da mineradora, discutiram e questionaram as informações passadas pela empresa. A reunião continuou depois que os ânimos se acalmaram.
Barragens na Bahia
Construída na década de 1980, a B1 está desativada e recebeu rejeitos até o ano de 2012. Na Bahia, ao todo, são 14 barragens de rejeitos. As que têm maior potencial de dano são as de Jacobina, Santa Luz e Itagibá.
A Yamana Gold afirma, categoricamente, que suas barragens de rejeitos são seguras e monitoradas permanentemente.
Fonte: Jacobina Notícias

Você gostou? Compartilhe com seus amigos

0