Bolsonaro diz acreditar que ataque foi planejado: ‘rodou a faca para matar’

Jair Bolsonaro recebeu o jornalista Augusto Nunes no quarto em que está internado no hospital Albert Einstein, em São Paulo, nesta segunda-feira (24). Esta foi a primeira entrevista presencial cedida pelo candidato após o atentado sofrido no último dia 6 de setembro em Juiz de Fora, Minas Gerais. Durante a conversa, o presidenciável – visivelmente mais magro, porém já sem a sonda nasogástrica – contou detalhes do ataque e deu suas opiniões sobre as investigações. Para ele, tudo foi planejado e o responsável confesso pelo crime, Adélio Bispo de Oliveira, não agiu sozinho.
“Entendo que foi algo planejado. Foi político, não há a menor dúvida. Me tirando de combate… você pega os três ou quatro próximos na relação, eles são muito parecidos”, disse, fazendo referência às pesquisas de intenção de voto que mostram Fernando Haddad (PT), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB) e Marina Silva (Rede) praticamente empatados na segunda colocação. “Ele deu uma facada e rodou. Para matar mesmo. O cara sabia o que estava fazendo. Por milímetros não atingiu veias que eu não teria como resistir”.
Em seguida, o candidato questionou a linha de investigação sustentada pelo delegado da PF que conduz o caso. Após apurar dados bancários e registros telefônicos do réu, ele e os outros investigadores chegaram à conclusão de que não havia outros envolvidos no crime.
“Acredito que ele não agiu sozinho. Ele não é tão inteligente assim, não. A tendência natural de um ato como aquele é ele ser linchado. Então ele foi para cumprir a missão quase na certeza de que não seria. Não seria como? Sabendo que teria gente ao lado dele”, afirmou.
“Pelo que ouvi dizer, não tenho certeza ainda, a Polícia Civil de Juiz de Fora está bem mais avançada que a Polícia Federal. O depoimento do delegado que está conduzindo, realmente é para abafar. Eu lamento o que ouvi ele falando. Dá a entender até que age em parte como uma defesa do criminoso. Isso não pode acontecer. Não quero que inventem um responsável. Longe disso. Tal partido… não. Mas dá para apurar o caso. Tem uma passagem dele na Câmara. Ou melhor, uma passagem falsa dele na Câmara, no dia 6 de setembro. E quando vai à Câmara, você se identifica, é fotografado. Então quem foi que…? Poderia ter um álibi aí. A polícia legislativa trabalha com muita lisura. A imprensa também tem que apurar. Você sabe que parte dela tenta acalmar o negócio. O que está em jogo é o poder. Eu chegando lá, nós quebraríamos o sistema. Não é na ignorância, não, é na lei”. Com informações do site da Jovem Pan.
Fonte: Jovem Pan

André Araujo

André Luiz Araújo é formado em radialismo . Exerce a profissão há 20 anos , onde mantem o Blog Espaço Aberto.Net ,8 anos levando noticias locais e regionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *